janeiro 28, 2009

By Otávio

O menino que dava nomes

O menino, sentado ao lado da mãe no banco de costas, põe o dedo no vidro da janela do ônibus, apontando o carro estacionado:
- Tá vendo aquilo ali, mãe? Aquilo ali se chama lata velha.
A mãe se distrai, o menino então começa a assobiar, sem melodia, cortando fino e seco o ouvido dos passageiros.
A mãe vermelha:
- Que isso, filho?
E ele:
- É o canto dos pássaros.

Otávio Luiz Kajevski Junior



Otávio,
leitor assíduo e sensível. Não precisei conhecê-lo pessoalmente para perceber que é um observador por natureza (e eu adoro isso). Curitibano, atualmente cursa Filosofia pela UFPR. Consegue traduzir em belos textos sua visão do mundo e de si mesmo. Já me encantou vááááárias vezes com seus "Bilhetes engordurados sobre a mesa". Eu, se fosse você, passava por lá. Obrigada por estar aqui, menino!
;o)

5 comentários:

Leo|mascaro disse...

Com poucas palavras, consegui visualizar perfeitamente este menino em minha frente. Ricos detalhes!!

Farei uma visita jajá!!

Adriano Queiroz disse...

Hehehehe
Bem espírito infantil mesmo.
Rápido e rasteiro.

Abraços.

Vinícius Rocha disse...

e assim a gente vai classificando o mundo, como essa criança ai...

vou dar uma passada nos bilhetes engordurados agora mesmo :-)

beijos para Miss Pin

Otávio disse...

puxa, desse jeito eu me sensibilizo ainda mais..rs, gostei mto, mto da descrição=)
egocentrismo e ufanismo à parte, ao lado da modéstia, q foi pro espaço! mas como diria o nosso vampiro Dalton Trevisan: o conto é sempre melhor q o contista..

Otávio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.