abril 25, 2009

Ismael&Adalgisa

Não recordo em qual exposição vi um quadro de Ismael Nery e na breve descrição sobre o artista o que mais me chamou atenção foi sua morte prematura. Tive um professor de literatura que contava de forma muito poética a vida desregrada de escritores e pintores de séculos passados e a constante presença de doenças na vida deles. Para nós, meros ouvintes, a tuberculose, por exemplo, parecia ser um mal absolutamente necessário para a morte precoce desses futuros "famosos". Ismael Nery foi um deles.

Ismael Nery

O pintor brasileiro cujo nome ainda hoje é pouco conhecido, nasceu em 1900 em Belém do Pará. Aos 9 anos foi com a família para o Rio de Janeiro, se formando na Escola Nacional de Belas Artes. Viajou para a Europa em diferentes períodos onde estudou e pesquisou técnicas de pintura - a influência surrealista e cubista que recebeu durante essa época pode ser facilmente percebida em suas obras.
Seus temas preferidos sempre foram a figura humana: retratos, auto-retratos e nus. Em 1922 casou-se com a poetisa Adalgia Ferreira e 7 anos depois descobriu-se portador de tuberculose. Suas constantes internações por causa da doença também influenciaram suas obras, que passaram a mostrar figuras mutiladas e mais viscerais.
Ismael Nery morreu aos 33 anos no Rio de Janeiro e foi enterrado vestindo um hábito dos franciscanos, numa homenagem dos frades à sua ardorosa fé católica. A obra de Ismael Nery permaneceu ignorada até 1965, quando foi exposta na 8a Bienal de São Paulo.


Criança brincando com borboletas s.d.

Namorado s.d.

Perfil e alma s.d.

Adalgisa Nery nasceu em 1905, no Rio de Janeiro. De família pobre, teve uma infância triste: ficou órfã de mãe aos 8 anos e aos 12 foi expulsa do colégio interno onde estudava por ser considerada "subversiva", pois era a protetora das órfãs ali presentes. Aos 16 anos casou-se com seu vizinho, Ismael Nery, com quem viveu por 12 anos, até a morte do marido.

Adalgisa Nery


Essa união lhe proporcionou uma vida intelectualmente agitada com constantes viagens à Europa e contatos com diferentes artistas. Em 1959 publicou seu primeiro romance "A imaginária", considerado autobiográfico por ter uma personagem que mostrava a admiração que sentia pelo marido no início do casamento e o gradativo sentimento de terror que foi surgindo aos poucos, devido a violência que ele assumia no dia-a-dia.



Após ficar viúva de Ismael, Adalgisa trabalhou no Conselho do Comércio Exterior do Itamaraty e, em 1940, casou-se com o jornalista e advogado Lourival Fontes. As viagens feitas com seu marido para a Europa e México, onde ele foi embaixador, lhe proporcionaram amizades com Diego Rivera, Frida Kahlo e José Orozco, entre outros importantes nomes do cenário artístico.
Depois de 13 anos de casamento, Lourival deixou Adalgisa por outra mulher. A partir daí a escritora, com várias obras divulgadas no Brasil e no exterior e uma personalidade pública admirada por muitos, resolve abandonar a carreira literária, passa a trabalhar como jornalista e ingressa na carreira política, sendo 3 vezes reeleita como deputada até ter seu mandato cassado.
Os anos de 1974 e 1975 foram de desemparo e sofrimento. Viveu na casa do comunicador e amigo Flávio Cavalcante, como reclusa. Voltou a publicar obras poéticas, artigos, contos e um romance. Apesar da ausência de doença, se internou, em 1976, em uma casa de repouso para idosos, no Rio. Morreu três anos depois.

Mistério
Há vozes dentro da noite que clamam por mim,
Há vozes nas fontes que gritam meu nome.
Minha alma distende seus ouvidos
E minha memória desce aos abismos escuros
Procurando quem chama.
Há vozes que correm nos ventos clamando por
[ mim.
Há vozes debaixo das pedras que gemem meu
[ nome
E eu olho para as árvores tranqüilas
E para as montanhas impassíveis
Procurando quem chama.
Há vozes na boca das rosas cantando meu nome
E as ondas batem nas praias
Deixando exaustas um grito por mim
E meus olhos caem na lembrança do paraíso
Para saber quem chama.
Há vozes nos corpos sem vida,
Há vozes no meu caminhar,
Há vozes no sono de meus filhos
E meu pensamento como um relâmpago risca
O limite da minha existência
Na ânsia de saber quem grita.

De Cantos da Angústia (1948)

Um comentário:

Vinícius Rocha disse...

UAU! Q impressionante, não conhecia e vou procurar mais desta mulher...
bjs